Sexta Feira 13 – A História por trás da data
Sexta Feira 13

Sexta Feira 13 – A História por trás da data

Conheça toda a história por trás da Sexta Feira 13

A Sexta Feira 13 é uma data conhecida internacionalmente como um dia agourento. Um dia onde as atividades paranormais e preternaturais tem muito mais chance de acontecer.

Ocultistas e demonologistas dizem que a “película” que separa o mundo natural do sobrenatural sofre um estreitamento preocupante, dessa forma facilitando o transito entre os dois universos.

Outros dizem que considerar a data nefasta é injusto, pois trata-se apenas de coincidências matemáticas da qual grupos se apropriaram e usaram como armas em brigas religiosas e/ou políticas.

Histórias e lendas da Sexta Feira 13

Existem muitas histórias e lendas que tentam justificar como surgiu o misticismo ao redor desta data.

A mais popular é a que atribui a maldição da sexta feira 13 à crença na história de Jesus Cristo. As lendas contam que ele foi crucificado numa sexta-feira logo após a Santa Ceia com seus 12 apóstolos. Notem que haviam 13 participantes à mesa. O número 13 no cristianismo costumava ser considerado uma ligação com Deus, sendo o número 1 a representação do indivíduo e o 3 a Santíssima Trindade (pai, filho e espírito santo). Possivelmente essa é a razão da quantidade de membros presentes na Santa Ceia.

Diz-se ainda que a data é justificada por um acontecimento no dia 13 de Outubro de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo Rei Filipe IV da França. Os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados por heresia.

Porém estudiosos apontam para versões muito mais antigas.

Outras versões para a Sexta Feira 13

Na mitologia egípcia, Set esquartejou Osíris em 14 pedaços e jogou no rio Nilo, esperando que os crocodilos os devorassem, e assim Osíris jamais teria acesso à vida eterna. Mas ele não foi comido e Ísis conseguiu resgatar 13 pedaços (o pênis foi comido por um peixe – Nun – ligação com a letra hebraica). E Osíris foi para outro mundo, identificado como o Sol Noturno, que morre cada noite para ressuscitar no dia seguinte, transformando-se no Deus dos Mortos, da morte e ressurreição

A mitologia nórdica também possui 2 lendas para a data.

Em uma delas conta-se que houve um banquete oferecido pelo Deus Odin a 12 Deuses convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, não estava entre os convidados e ficou muito irado por isso. Após aparecer na festa, uma grande luta foi travada, findando com a morte da deusa Balder, que era muito amada pelos outros deuses. A partir desta história, veio a crença de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça na certa.

Na outra lenda, a deusa do amor e da beleza para os nórdicos chamava-se Frigga (que originou os termos friadagr e friday, que significam “sexta-feira” na língua escandinava e em inglês, originário do anglo-saxão, respectivamente). Quando as tribos nórdicas e alemãs foram forçadas a se converter ao cristianismo, a lenda transformou a deusa em uma bruxa que se reunia todas as sextas-feiras com outras 11 bruxas e o demônio, totalizando 13 integrantes que ficavam rogando pragas aos seres humanos.

Os historiadores

Alguns justificam a desconfiança dos cristãos com as sextas-feiras em oposição geral às religiões pagãs.
A sexta-feira recebeu seu nome em inglês em homenagem a Frigga. Essa forte figura feminina, de acordo com os historiadores, representava uma ameaça ao cristianismo, que era dominado por homens. Para combater sua influência, a igreja cristã a caracterizou como uma bruxa, difamando o dia que a homenageava. Essa caracterização também pode ter tido um papel no medo do número 13.

O calendário antigo representava o calendário lunar, possuindo 13 meses de 28 dias. Mas este número foi completamente renegado pelos sacerdotes das primeiras religiões patriarcais por representar o feminino nas culturas pré-históricas, já que refletia o ciclo menstrual das mulheres. Foi, então, alterado pelo Papa Gregório XIII para 12 meses, evitando que se continuasse cultuando a mulher como sagrada.

O medo da sexta feira 13 foi tão profundamente moldado pelas lendas e religiões que hoje existirem sérias fobias. A fobia relativa ao número 13 chama-se Triscaidecafobia e a relativa ao medo específico da sexta-feira 13 chama-se parascavedecatriafobia ou frigatriscaidecafobia.

Na numerologia o número 13 é considerado de sorte, um número irregular, sinal de infortúnio. Sabemos que o 13, assim como um grade grupamento conhecido como números primos, causam ao mesmo tempo estranhamento e fascínio por não poderem ser “desconstruídos”. Note também que, no Tarô, a carta de número 13 representa a Morte.

Porém nem todas as lendas apontam a sexta feira 13 como um dia ruim

Em algumas culturas ele pode ter sido considerado número de sorte. Não há nenhuma evidência de que o 13 tenha sido considerado um número de azar pelas culturas mais antigas. Pelo contrário, muitos povos o consideravam um número sagrado.

Para os egípcios, a vida era composta por 12 diferentes estágios para que o ser humano alcance o 13º, que era a vida eterna. Dessa forma, o número 13 foi relacionado à morte, mas não com uma conotação negativa, e sim como uma gloriosa transformação. Essa ligação com a morte permaneceu porém distorcida por outras culturas que nutriam o medo da morte e não a viam como algo presente no destino de qualquer vida.

A evidência de que as culturas primitivas reverenciavam o 13 pode ser constatada por meio de vários vestígios arqueológicos, como a Vênus de Laussel, uma estatueta com mais de 27 mil anos encontrada na França, que carrega em suas mãos um chifre em forma de crescente lunar com 13 chanfros.

#terror #nefasto


NEFASTO – ENTRE A VIDA E A MORTE
www.nefasto.com.br – Tudo sobre medo e terror: Filmes de terror, histórias de terror, livro de terror, notícias de terror, contos de terror. Todas as matérias são escritas pela equipe do Nefasto, com base em fontes da internet. Caso algum artigo ou notícia não esteja carregando os devidos créditos, entre em contato pelo email nefasto.nocivo@gmail.com.
Siga-nos nas redes: Facebook || Instagram || Youtube || Grupo de discussão || Twitter || Google+

Deixe uma resposta