Inferno – Autor Desconhecido

Inferno – Autor Desconhecido

 

Inferno é uma pintura a óleo sobre madeira de carvalho, pintado cerca de 1510-20 por um pintor português que não se conhece a identidade. Teria sido encomendada e escondida no acervo do Convento de São Bento da Saúde onde foi redescoberta em 1834. Atualmente se encontra no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Por se desconhecer documentação sobre a origem desta obra a sua autoria já foi atribuída a Jorge Afonso e ao Mestre da Lourinhã.

Descrição da obra

Num espaço subterrâneo com uma abertura circular no canto superior direito por onde caem as almas, os condenados sofrem as penas correspondentes a cada um dos sete pecados mortais, suplícios comandados pelo rei dos demônios que, sentado num trono atrás do caldeirão maior, preside esta cena terrível vestido com uma armadura medieval, com um cocar indígena e segurando uma enorme corneta.

Ao centro, dentro de um caldeirão com água fervente, padecem os que praticaram a inveja, notando-se um frade franciscano por ser a única figura vestida e sem sinais de sofrimento. Em torno do caldeirão agrupam-se os outros pecados mortais: o orgulho pelas três pessoas presas pelos pés que pendem sobre um fogareiro de barro cujas chamas lhes queimam o cabelo; a avareza da pessoa que é obrigado a engolir moedas de ouro; a gula pela figura a quem um demônio obriga a beber vinho contido num odre em forma de porco; a ira do homem de cabeça raspada; a luxúria de dois grupos representando o sexo, o com o casal atado e o frade acorrentado os jovem.