Curupira

Conheça a história do Curupira

Curupira ou Currupira é uma entidade do folclore brasileiro. Ele é uma figura das matas, um moleque de cabelos compridos e vermelhos, dizem alguns que são na realidade labaredas, cuja característica principal são os pés virados para trás.

Curupira” e “currupira” procedem do tupi kuru’pir, que significa “o coberto de pústulas”. Segundo Stradelli, procedem de curu, contração de corumi, “menino”, e pira, “corpo”, significando, então, “corpo de menino”.

Um dos principais personagens do folclore brasileiro. É um ente fantastico e espantoso. O curupira é representado por um pequeno garoto, com aproximadamente 1,30m de altura, cabelos vermelhos como fogo, pés virados para trás e calcanhares para a frente.

Sua primeira menção conhecida

A primeira menção feita de seu nome foi há quase meio milênio atras, por José de Anchieta, em São Vicente:

30 de maio de 1560: É coisa sabida e pela boca de todos corre que há certos demônios, chamam Curupira, que acontece aos índios muitas vezes no mato, dão-lhe açoites, machucam-nos e matam-nos. São testemunhos disso os nossos irmãos, que viram algumas vezes os mortos por eles. Por isso costumam os índios deixar em certo caminho, que por ásperas brenhas vai ter ao interior das terras, no cume da mais alta montanha, quando por cá passam, penas de aves, abanadores, flechas e outras coisas semelhantes, como uma espécie de oferenda, rogando fervorosamente aos Curupiras que não lhes façam mal“.

Nenhuma outra figura mítica brasileira foi associada a tais oferendas antes

Demônio da floresta, explicador dos rumores misteriosos, do desaparecimento de caçadores, do esquecimento de caminhos, de pavores súbitos, inexplicáveis, foi lentamente o Curupira recebendo atributos e formas físicas que pertenciam a outros entes ameaçadores e perdidos na antiguidade clássica. Sempre com os pés voltados para trás e de prodigiosa força física, engana caçadores e viajantes, fazendo-os perder o rumo certo, transviando-os dentro da floresta, com assobios e sinais falsos.

Do Maranhão para o sul até o Espírito Santo, o seu apelido constante é Caipora.

Eduardo Galvão informa:
Curupira é um gênio da floresta. Na cidade ou nas capoeiras de sua vizinhança imediata não existem currupiras. Habitam mais para longe, muito dentro da mata. A gente da cidade acredita em sua existência, mas ela não é motivo de preocupação porque os currupiras não gostam de locais muito habitados.
Gostam imensamente de fumo e de pinga. Seringueiros e roceiros deixam esses presentes nas trilhas que atravessam, de modo a agradá-los ou pelo menos distraí-los. Na mata, os gritos longos e estridentes dos Currupiras são muitas vezes ouvidos pelo caboclo. Também imitam a voz humana, num grito de chamada, para atrair vítimas. O inocente que ouve os gritos e não se apercebe que é um Currupira e dele se aproxima perde inteiramente a noção de rumo.”

#terror #nefasto


Pela Redação do Nefasto.